Seguidores

terça-feira, 16 de maio de 2017

HISTÓRIAS POR TRÁS DAS POESIAS - ALMEIDA JUNIOR SORRIU



Ano passado em 2016, o coletivo Poesia é da hora organizou e acompanhou passeios culturais mensais para o povo de rua, em diversos pólos artísticos da cidade de São Paulo: Museu do Imigrante, Museu Penitenciário, Memorial da Resistência, Pinacoteca, Museu Judaico, Centro Cultural Banco do Brasil, Centro Cultural da Caixa, Centro Cultural São Paulo, Centro Cultural da Juventude, Museu de Arte Sacra entre tantos... Foi mó trampo de resistência, a gente teve dificuldade com o transporte dos grupos, barramos em burocracias de gestões que dizem que “assistem” o povo de rua, o planejamento era um e os imprevistos outros, mas aos poucos fomos nos acertando e superando as adversidades. Foram diversos centros culturais visitados e a cada visita, sensações múltiplas, aprendizagens e até vibes para novos textos.

Eu tenho uma péssima memória para guardar nomes e uma facilidade em detectar sensações. No dia do passeio para a Pinacoteca, fui até o Núcleo Prates, ali no Bom Retiro, para buscar um grupo que ia passear. A gente ia a pé mesmo, conversando, atravessando as calçadas sob os olhares de estranhamento e preconceito. Não dá pra achar isso normal... esse olhar! É dose!

Um senhor que nos acompanhava no grupo, tinha por volta de cinquenta e poucos anos. Ele me contou durante o caminho que estava albergado há mais de seis meses, gostava de pinturas em tela, que já tinha feito curso de desenho e tinha vontade de ver as obras do Almeida Junior... e foi por isso que topou ir pro passeio porque na Pinacoteca tem obra do pintor... Aquilo me despertou algo...
Durante o passeio monitorado que durou em média uma hora e meia, fiquei observando na miúda o olhar daquele senhor quando entrou na Pinacoteca, quando viu as pinturas e quando se deparou com as obras do pintor ituano. 

Aquela cena do encantamento dele mediante a obra que ele dizia que admirava, me inspirou a escrever: Almeida Junior sorriu, que está na página 37 do livro: O povo de rua resiste!