Seguidores

quinta-feira, 13 de julho de 2017

De cada dentro... dez fora - Marah Mends


De cada dentro... dez fora.

Mourato Coelho foi um bandeirante paulista da época colonial. Intolerante como qualquer bandeirante, prestava-se a escravizar e assassinar o povo indígena, o povo negro e o povo pobre. Fazia uns escambos, ganhava uns cobres e deixava a Casa Grande satisfeita com meus golpes.
Os bandeirantes em sua maioria eram desprovidos de riqueza. Financeiramente viviam de incertezas pois só faturavam se a missão era “bem-feita”. No ringue era pobre contra pobre e quem apertava o sino eram os nobres, que ficavam de camarote divertindo-se com a rinha entre pobres.
 A farda bandeirante não era cinza. Talvez nem cor tinha. Era só um colete surrado de couro de anta. Aquilo era a manta que o protegia das flechas da resistência indígena. Flechas contra o disparo do cano longo. Quem levou a melhor? Flechas ou disparo do cano longo? Quem levou a melhor? Um pobre com um pedaço de pau pedindo comida ou um fardado com um trezoitão engatilhado e o sistema todo do seu lado? Quem levou a melhor?
Tem instituição que protege e apadrinha quem oprime o povo indígena, o povo negro e o povo pobre! Tem instituição que esmaga quem se rebela contra esse lixo cultural que nos consome feito traça. 
No dia doze de julho de dois mil e dezessete, Ricardo Oliveira Santos, preto, pobre e morador de rua há mais de dez anos, foi assassinado com três tiros por um policial militar. Ricardo queria um pedaço de pizza. Ricardo estava fortemente armado com um pedaço de pau. Um pedaço de pau... um... pedaço... de pau. Ele só queria um pedaço de pizza... um pedaço de pizza... sabe aquela pizza que você compra não aguenta comer e deixar na mesa pra ser jogada no lixo pelo garçom? Ricardo queria aquele pedaço de pizza...
Ricardo Oliveira Santos foi covardemente executado na Rua Mourato Coelho. A Rua com o nome de um opressor.
De quem é o reflexo que aparece no espelho?

Texto de Marah Mends