Seguidores

quinta-feira, 19 de julho de 2018

69ª edição do sarau Poesia é da hora no Núcleo Barra Funda



A sexagésima edição do sarau Poesia é da hora vai rolar em dose dupla em agosto.
Dia 24 também terá e será no Núcleo Barra Funda (Perto da escola Camisa Verde e Branco), com o lançamento da marca de camisetas: Calma Rex, criada pelo povo de rua nas oficinas do Núcleo, com orientação do Henrique José, do coletivo.
Calma rex é uma gíria da rua pra acalmar, relaxar, ficar sussa... Calma rex!
Mic aberto, quem puder colar, participar, fortalecer, apresentar trabalhos etc e tals só chegar que a gente abraça.
Valeus.
Até dia 24.
Local: Nucleo Barra Funda.
Rua Norma Pieruccinni Giannotti, 77 A (é uma paralela da Rudge Ramos, em frente ao SAMS)
Horário das 14h às 16h
Realização: Coletivo Poesia é da hora.
Contato: poesiedahora@gmail.com

terça-feira, 17 de julho de 2018

Benedito Gabriel no sarau Poesia é da hora - Atende 3


Salvê...
Nosso sarau mensal de agosto vai rolar no Atende 3, um centro de acolhida provisório que fica no bairro Campos Elísios, perto da praça Princesa Isabel.
Mic aberto pra quem quiser mandar poesia, música, recado, protesto, dizer que ama, abraçar, expor trabalhos, fazer despachos, só chegar de mansinho, de boas, com respeito que essa é a hora!
Bora lá?
Data: 11/08 (Sábado)
Das 14h às 16h
Rua Marechal Rondon, 50
Realização: Coletivo Poesia é da hora.
Nois mermo!
Contato: poesiaedahora@gmail.com

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Elefantes têm medo de formigas - Marah Mends


Os corres...

Maio:

22/05 Pré-lançamento e bate papo na Escola Estadual Edir Paulino
24/05 Doação de livros na Biblioteca Municipal de Arujá
25/05 Doação de livros para acervo do CEU Veredas (Itaim Paulista)
26/05 - Livraria Martins Fontes (oficial) com venda dos livros.

Junho:

05/06 - Lançamento, bate papo e doação de livros na Escola Estadual Pastor Carlos Richard Strautmann
09/06 - Anfiteatro do Parque Villa Lobos - Bate papo e lançamento, dentro do sarau Composição Urbana.
15/06 - Lançamento, sarau e doação de livros no Centro de Acolhida para o povo de rua em São Matheus
19/06 - Lançamento, bate papo e doação de livros na Escola Estadual Washington Luiz.
20/06 - Bate papo na escola Strautmann 2º tempo (porque é minha escola do coração e volto mesmo).

Julho:

13/07 - Doação na Biblioteca São Paulo (Carandiru).
14/07 Slam do Grito + doação de livros no sarau na Fundação Casa de Diadema.
20/07 Doação nas bibliotecas: Mario de Andrade, Heliópolis.
21/07 Doação na biblioteca de Guaianases.
28/07 Sarau + livros Itaquaquecetuba

Agosto:

03/08 Sarau + livros em Mauá.
11/08 Lançamento + doação de livros no Centro de Acolhida Atende 3 (Cracolândia)
13/08 Bate papo, lançamento e doação de livros na escola Estadual Esli Diniz Garcia
20/08 Lançamento no sarau Suburbano Convicto
24/08 Lançamento + doação de livros no Núcleo Barra Funda (Centro de Acolhida para morador de rua)

Setembro:

08/09 Homenagem no sarau Amparo Literário (Fábrica de Cultura Belém)

21/09 Debate sobre o livro na Biblioteca Municipal de Arujá.

26/09 Lançamento do livro no Slam OZ, em Osasco.

Outubro:

06/10 Lançamento do livro no evento do professor Felipe.

Vendas:

https\://www.facebook.com/escritoramarahmends/

Edições é da hora: poesiaedahora@gmail.com

Boletim Poesia é da hora com Romeyka Pereira


quarta-feira, 11 de julho de 2018

Promiscuidade literária


Escritora é uma bicha meia promíscua. Mal acaba de criar e se envolver com vários personagens do livro ao mesmo tempo e já tá pensando em criar e se envolver com outros personagens para outras aventuras em outros tempo-espaço.
Há alguns dias comecei a rascunhar meu próximo romance, que ainda não tem nome, ainda não corpo, mas têm cheiros, cores, sensações e almas irriquietas... 

Marah Mends

terça-feira, 10 de julho de 2018

Domingo é dia de boletim Poesia é da hora na rádio Cantareira


Todo domingo tem boletim Poesia é da hora na rádio Cantareira FM, programa Meu Caro Amigo.
E sabe por que domingo vai ser especial? Vai ter texto coletivo das alunas e aluno da EMEF Desembargador Amorim Lima. Uma versão muito bacana que fizeram de uma música atual e que foi apresentada pela primeira fez na aula da professora Karina Carvalho.
Quer ouvir?
Sintoniza lá:

wwww.radiocantareira.org


15/07 às 11h40
É nozes!

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Brechó e Poesia no espaço Tia Estela - Julho 2018


Dia 07 de julho à partir das 14h, Coletivo Poesia éda hora, Poetas do Tietê e voluntários vão fazer um encontrão do bom e vai rolar brechó, poesia, abraços, som na caixa.

Mais um ano lá no Espaço Tia Estela, uma okupa debaixo do viaduto Alcântara Machado no Brás que há anos resiste a opressão do Estado e a especulação imobiliária. 

No Espaço Tia Estela (nome de uma moradora da okupa que faleceu), há família inteiras, crianças, trabalhadores autônomos e além do Brechó (doação de roupas), as Poesias (como sarauzim) queremos fazer um café/chá da tarde para o pessoal da Okupa e precisamos muito da sua colaboração trazendo bolachas, café, chá, pão, manteiga etc...

Aliás, mantimentos no geral, produtos de higiene, produtos de limpeza, alimentos não perecíveis serão bem-vindo na okupa.

Podemos contar com você?
Esperamos que sim!
Chega mais que é nóis por nois e vai ser lindo de ver.

Data: 07/07 às 14h
Espaço Tia Estela - Av. Alcântara Machado, 888 - perto do metrô Brás.

Qual foi a última vez que você "fez o mundo parar" pra você passar?



Qual foi a última vez que você "fez o mundo parar" pra você passar?
Vou perguntar a mesma coisa de um outro jeito: Sabe aquele momento dentro das 24 horas que você decide que vai ser só seu? Um momento só seu, tá ligada? Só pra você, existe esse momento no decorrer do seu dia? Saca aquele breve instante que você diz que agora vai ter a sua própria companhia e fica feliz com isso? (Bom... de fato é preciso gostar da própria companhia e isso nem sempre acontece do dia pra noite, mas é algo para refletir), e que vai fazer sim o que te faz bem (o bem é algo muito relativo) naquele curto espaço de tempo. E que vai ouvir aquele som que te arrepia, que te faz refletir ou faz seu corpo dançar e se sentir mais leve ou sei lá, fazer aquilo que te dá uma vibe boa, saca? Isso tudo é fazer o mundo parar pra você passar... qual foi a última vez?
Há pouco me fiz essa pergunta: " Qual foi a última vez que fiz o mundo parar para que pudesse passar? ". Gosto de perguntar-me. Evito que perguntem-me. Gosto de falar quando tenho vontade e não porque preciso responder algo que por algum motivo qualquer querem saber. Não sou responsável pelas expectativas dos outros, só das minhas. As conversas soltas são as que mais me prendem e mais arrancam meu sorriso. Quando estou comigo, às vezes converso-me e gesticulo na mesma cadência (se um dia você me ver fazendo isso não se assuste). Acho que esse fenômeno é de família, pois já flagrei minha mãe fazendo igual. E gesticulava também. Saí de mansinho, pisando nas nuvens, só pra não interromper esse momento mágico que é trocar ideia com você mesma (e se disserem que você deve ser doida, fique feliz, pois os "doidos" são as pessoas mais interessantes de se dividir o tempo).
Normalmente essa parada de falar sozinha começa quando me concentro para escrever algo... Aliás, escrever é a resposta da pergunta que me fiz inicialmente...
Quando escrevo sinto que faço o mundo parar para que meus pensamentos possam passar...
Escrever é meu momento de reflexão, de calma, de perturbação, de vivências, de opiniões, de sonhos...

Marah Mends

Romeyka Pereira apresenta o boletim Poesia é da hora do domingo


Escola Desembargador Amorim faz atividades com livro: O povo de rua resiste!


Recebi mó presentão do universo e da professora Karina Carvalho. Há pouco ela me passou os vídeos e as fotos da molecada da EMEF Desembargador Amorim Lima, da zona oeste de Sampa, se articulando e batendo papo sobre ocupações, povo de rua, criando textos e músicas autorais sobre o tema proposto e lendo textos do livro O povo de rua resiste. A escola ainda recebeu a poeta e o moradora da Okupa 9 de julho, Samanta Lucas, para um dia de trocas de experiências e desconstruções.
Eu, como escritora e ser humano, me sinto extremamente honrada de participar de alguma forma dessa vibe toda. É literatura marginal! É poesia! É resistência!
Seguimos...






Alunas criando músicas com temática: O povo de rua

Boletim Poesia é da hora todo domingo na rádio Cantareira


domingo, 1 de julho de 2018

Agenda julho 2018





Julho 2018 (Compromissos e lembretes)

01 (Dom) Boletim Poesia é da hora na Rádio Cantareira/Programa Meu Caro Amigo 11h40 (Romeyka, Marah e Gilberto)/
05 (Qui) Show da banda Francisco El Hombre.
07 (Sáb) Campanha do Agasalho no espaço Tia Estela (Alcântara Machado) a partir das 14h. Poesia é da hora + Poetas do Tietê + Asas Abertas + Paideia + Voluntários em geral.
08 (Dom) Boletim Poesia é da hora na Rádio Cantareira/Programa Meu Caro Amigo 11h40 (Romeyka, Marah e Gilberto)/
09 (Seg) Revolução Constitucionalista de 32
10 (Ter) Dia da pizza
14 (Sáb) Diadema (sarau + livros)
15 (Dom) Boletim Poesia é da hora na Rádio Cantareira/Programa Meu Caro Amigo 11h40 (Romeyka, Marah e Gilberto)/
21 (Sáb) Peça: Cômodo Sala –  Amanda Gavazzi
22 (Dom) Boletim Poesia é da hora na Rádio Cantareira/Programa Meu Caro Amigo 11h40 (Romeyka, Marah e Gilberto)/
27 (Sexta) Brás (Sarau + livros)
28 (Sáb) Itaquaquecetuba (sarau + livros)
29 (Dom) Boletim Poesia é da hora na Rádio Cantareira/Programa Meu Caro Amigo 11h40 (Romeyka, Marah e Gilberto)/
30 (Seg) Aniversário da Sophia Duarte







quarta-feira, 27 de junho de 2018

Fundação Casa de Diadema, presente!




Fundação Casa de Diadema, presente!
Fui convidada pela Drika que há tempos trampa na Fundação para assistir uma mostra cultural feita pelos internos e educadores das Fundações do ABCD. Molecada de 14 a 18 anos fazendo poesia, rap, capoeira, batucada, pinturas, maquetes e mais uma vez, só pra variar, despedaçando o meu coração. Ouvi o depoimento de um ex-interno dizendo o quanto era grato pela professora de capoeira ter acredito nele num tempo espaço que ninguém acreditava mais. Ele decidiu que nunca mais ia voltar pra Fundação como interno e quando cumpriu sua medida, seguiu a vida. Saio desses encontros com os sentimentos arrebentados! Triste, feliz, revoltava, pensativa, grata, com uma vontade arrebatadora de tomar uma cerveja e relaxar bem devagar. Esses encontros me transformam... PS: O quadro colorido da simbologia das pernas foi pintado por adolescentes da Fundação Casa de Diadema. 🌞

Todo domingo tem boletim Poesia é da hora na rádio Cantareira


Domingo teeeeeeeeeeeem!
www.radiocantareira.org

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Bate papo literário na escola Strautmann - Marah Mends


Você tem alguma escola que guarda no coração? Eu tenho uma: É a escola Strautmann, no Barreto. Escola onde conheci minhas amigas, onde aprendi a me defender e me desenvolvi sem saber se de fato era desenvolvimento, mas era. Tenho mais boas histórias do que más histórias pra contar sobre lá, apesar de todo descaso do Estado e toda a migalha que nos foi oferecida na educação daquela época, a gente sobreviveu. Tamo aqui, né?

Me disseram que a 8D é a sala mais terrível do período, a sala onde se é preferível não estar.  E o bate papo proposto é justamente lá, na 8ªD. Fiquei pensando: incrível como situações adversas adoram cruzar o meu caminho. Isso pode ser um sinal... e pode não ser nada! 

Numa roda de conversa entre os alunos da 8ªD, professoras e professores, convidadas, a gente consegue olhar com mais calma para as pessoas ao redor e compartilhar falas que em dias comuns de aula, seria quase impossível compartilhar. Alguns alunos me disseram que a escola é chata, que na escola não tem novidade, que dá sono estar ali... fiquei ouvindo, em silêncio, gosto de ouvir. Até que ponto é interessante para o Sistema que os alunos não achem atrativo estudar? Quer saber de uma coisa? Na época que eu estudava, sentia isso também que eles sentem hoje. Essa chatice, essa mesmice, ter que seguir a cartilha, pensamentos conservadores demais, dinossauros com opinião formada sobre tudo, não enxergar que cada pessoa é uma situação e tem uma realidade diferente da outra, isso era um saco! Mas quando tinha alguma atividade diferente, uma semana cultural, uma festa, um campeonato esportivo... o brilho no olho voltava e estudar parecia ser maravilhoso. 

Eu não estou no dia dia das redes públicas de ensino, mas conversando com algumas professoras e professores posso imaginar os perrengues que eles passam diariamente e como são corajosos em encarar situações adversas. E também das alegrias que sentem quando veem um aluno evoluir, se interessar por um livro, uma história, um contexto social, participar de rodas de conversas. Uma aluna daí me procurou e disse que gostava de escrever, que quer um dia lançar um livro, fiquei feliz em ouvir isso. Pra mim já ficou essa ligação, essa missão de fortalecer no que for necessário. 
Professoras Araceli, Fernanda, prof. Renato admiro muito o trabalho que vocês fazem com essa molecada do Strautmann. Que bom que eles têm vocês, que bom ter referências!
Adoro estar aí com vocês...esses encontros na escola Strautmann sempre me acrescentam algo. Gratidão por tudo, em breve, estarei de volta...






















Elefantes têm medo de formigas na escola Washington Luiz


Mais um bate papo sobre o livro foi realizado na escola Washigton Luiz, gratidão a todas e todos pelas trocas, valeu professores Heber e Alex Richard Martins por fortalecer nessa ligação .
Seguimos!

Aqui é Barretão,mano!