Canal Poesia é da hora

Canal Poesia é da hora
Dias de luta!

quarta-feira, 11 de maio de 2022

#101 sarau Poesia é da hora no Chá do Padre


Pooooo, que dia incrível com pessoas incríveis!

Neste sábado rolou o #101 sarau Poesia é da hora com o povo de rua no Chá do Padre. Músicas, cantorias, poesias, reflexões, mulheragens, homenagens e muito, mais muitos abraços. Foi sensacional! 

Gratidão ao povo de rua, a toda equipe de educadores do Chá do Padre que nos acolheu com carinho, aos que divulgaram o evento e não puderam comparecer, a Ana Paula Costa que trouxe sua família toda (saudade, sua linda) e ao parça Nicanor Jacinto da Silva, nosso mestre das câmeras.

Dedicamos esse sarau presencial e todos os outros que virão ao nosso amigo Henrique José, que nos deixou em fevereiro, mas de longe eu tô ligada que ele olha por nós.

Bora pra cima, sarau Poesia é da horaaaaaaaa. Poesia é luta, porra!







 

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022

Falecimento do membro do Poesia é da hora: Henrique Ramos


Um amigo meu acabou de fazer a passagem. Um amigo que conheci em 2013 durante um sarau do Poesia é da hora no Núcleo Barra Funda. Um amigo que começou a integrar o coletivo poético desde então e coletivamente articulamos dezenas de saraus para o povo de rua. Esse ano o coletivo fez 10 anos de história. Um amigo que partilhou vivências, ensinamentos, conselhos, esperança e revolta. Um amigo que já tomou bomba de gás comigo em manifestação, que já rimos até chorar e se engasgar, que já varou noites  tomando cerveja, contando piada, tocando violão e conversando sobre a nossa própria estupidez e da estupidez do mundo. 

Henrique, nesse dia eu não quero falar sobre tristezas. Eu só quero agradecer ao universo por ter lançado você no meu caminho. 

Que sua alma esteja tranquila nessa passagem. Esse ainda não é o fim, meu amigo.

Velório às 8h. Enterro às 10h.

 R. Coréia, s/n - Parque das Nações, Santo André - SP, 09280-190.



Henrique Ramos no sarau Poesia é da hora, Barra Funda.






Marah Mends, Nicanor Jacinto e Henrique Ramos no sarau na São Martinho.












Henrique Ramos no sarau da Casa Porto Seguro.








Sarau na Casa Restaura-me.








Sarau na Maloca, no Brás.









Com Otávio Alexandre, sarau em São Matheus.

segunda-feira, 3 de maio de 2021

Saraus Poesia é da hora 2021


Março




Abril





Maio





 


Junho



Agosto



Setembro


Dezembro







Romeyka Pereira, Boletim Poesia é da hora, 02/05/21


 

Romeyka Pereira, Boletim Poesia é da hora, 25/04/21


 

Marah Mends, Boletim Poesia é da hora, texto poético de Ana dos Santos


 

Marah Mends, Boletim Poesia é da hora, texto poético Eliane Potiguara


 

Romeyka Pereira, boletim Poesia é da hora, 28/02/21


 

Marah Mends, Boletim Poesia é da hora, texto de Bruna Ramos da Fonte


 

Marah Mends, Boletim Poesia é da hora, texto poético Ana Paula


 

terça-feira, 27 de abril de 2021

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

Boletim Poesia é da hora com o texto de Dandê Ma'at


 

Poesia é da hora


Há mais de oito anos com o sarau mensal. E agora, em tempos de pandemia, se virando nos trinta para realizar de maneira virtual. A arte é necessária e há necessidade que chegue para todas, todos e todes.

 

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

Marcelo Miranda - Poesia Salva


Ton Boa Vida e seu cavaco


Marah Mends - Podcast No trem do Tempo


Rayssa Silva - Boletim Poesia é da hora




Romeyka Pereira - Boletim Poesia é da hora


Sociedade dos laços livre -Marah Mends


Luaa - Boletim Poesia é da hora


Lilian Rocha - Boletim Poesia é da hora


Boletim Poesia é da hora todo domingo na rádio Cantareira FM


quinta-feira, 16 de julho de 2020

Polaridade - Marah Mends




Polaridade

Segundo a meteorologia hoje vai chover. Chuva de linguagens múltiplas, multicêntrica. Aguaceiro que arrasta da barraca da feira para o chão, o alimento que gira, gira, gira e como bola certeira na caçapa é ensacolado por mãos coletoras de sobras de fim de feira.

É a chuva das assimetrias sociais que molham os olhos da gente insistentemente em contato com o que fizemos do mundo  nessa marcha voluntária para antipatia e derrota. 

A chuva no telhado do barraco tem pinga, pinga, pinga e baldes por todos os lados.

Nas mansões os patrões em chuva ácida roubam até o auxílio emergencial dos que apanham o alimento no final da feira e moram nos barracos com os tetos furados. 

A chuva de gafanhoto poderia ter endereço certeiro como uma ema ou uma naja e devastar apenas quem acumulou riquezas às custas da dignidade pacífica, alheia. 

É madrugada e vai ter chuva de meteoro. De cima da laje dá pra ver a luz que corta o céu, a noite e a insustentável sensação de uma coexistência que grita silenciosamente ao olhar estrelas. 

Marah Mends.

Vídeo poesia de Marcelo Miranda da Cruz


terça-feira, 14 de julho de 2020

Rennata Belletarde no sarau Poesia é da hora 2020


Mano T MC no sarau Poesia é da hora julho 2020


Washington Reis no sarau Poesia é da hora julho 2020


Sarau Poesia é da hora de julho 2020


Adílson Guimarães
Fábio Alves

Sarau Poesia é da hora julho 2020

Ana dos Santos
Otávio Alexandre
Rennatta Belletarde
Henrique Ramos
Sabrina Carvalho

Sarau Poesia é da hora julho 2020


Patrícia Pantaleão 
Washington Reis
Ana Paula
Ton Boa Vida
Cícero
Mário

Nicanor Jacinto no sarau Poesia é da hora de julho


sexta-feira, 3 de julho de 2020

87ª edição do sarau Poesia é da hora (julho 2020)



Salveeeeee.

Dia 11/07, sábado às 15h, vai rolar a octagésima sétima edição do sarau mais lindo, gostoso e cheiroso de toda a cidade. Pela terceira vez virtualmente e não ao vivo, mas presente e resistente em tempos de pandemia.

Sarau Poesia é da hora é nois mesmo!

Valeu, até sábado!

Canal Poesia é da hora:


Sarau do Bloco do fuá em julho



quarta-feira, 3 de junho de 2020

Sociedade dos excessos - Marah Mends




Sociedade dos excessos

Verbalizou anseios no quintal do mundo inóspito. Todos estão sós, então, todo cuidado é pouco para não ser refém daquilo que deixou no chão para tropeçar. Em que estado esteve? Em estado de alma decorrente!
Desmecanizar-se pode até levar décadas, mas o primeiro passo já é um caminho desfragmentador. 
Os fragmentos do real confrontados contra vistas míopes, atrapalhou no processo de evolução nesta perspectiva de análise. 
Vozes controversas perpassam. Elas são tudo o que sobra. Elas são tudo o que me sobra.

Marah Mends

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Boletim Poesia é da hora - Texto poético: Larissa Gonçalves


Periclitará - Marah Mends




Periclitará

Vivia na borda dos outros dentro da instituição da calamidade pública. Demonstrar a unidade da humildade era proibido por lá. Gostava de dicionarizar no primeiro contato visual, as eufonias eram as suas prediletas. Julgava-se inalienável, mas era nas tecladas involuntárias que revelava todo o seu poder de exclusão de si. Quem era, afinal? 

Presentificava a família, os amigos, a sociedade, a instituição da calamidade pública, porém, consigo, era só diarréia, disfunção e tecladas involuntárias.

Ainda há tempo para realçar a própria dignidade nesse frontispício malgrado?

Entre zurros e pinotes mordazes, recusou-se a aprender uma nova lição. 

Marah Mends🌹

Canal Poesia é da hora: